Ok, de volta a casa vamos lá a ver o que consigo fazer com isto.

Com um teclado ajustado às minhas mãos, já consigo pôr as letras numa sequência normal.

A ideia original era que chegar ao centro duma pessoa é como chegar ao centro da terra. Não deve ser uma ideia original, mas quero que se lixe. Com tanta gente na terra ainda querem coisas originais? Para mim é original. Lembrei-me disso agora.

A cena poética também está posta de parte. A porra dos astros todos desalinhados.

Vamos lá a ver se consigo fazer alguma coisa com esta salganhada. Apagar? Ná! Demasiado fácil.

——————————————–
Não é fácil chegar ao centro da terra. E nem é por causa da lava.

Já alguém chegou à lava? A lava é que chega a nós. A terra é que tem vulcões e nos atira a lava à cara.

A gente tem a mania. Falamos em vulcões e em voar. Até eu.

Voo tão poucochinho.
Acho que não consigo saltar mais que cinquenta centímetros.
E esquece lá os vulcões. Como é que se faz aquilo?

Ok, no mar dou uns mergulhos. E em pensamento faço mais. Conta?
Há-de haver um vulcão lá no centro da terra que está pensar nisso.

Beijem os vulcões.

(da primeira versão mantenho uma frase e a ideia, é importante beijar mesmo quem pensa em vulcões)

Gostei de escrever isto. Amanhã veremos.