Quatro horas da tarde.
O poeta sai de casa com uma aranha nos cabelos.
Tem febre. Arde.
E a falta de cigarros faz-lhe os olhos mais belos.

https://www.escritas.org/pt/poema/13573/o-poeta-em-lisboa