Uma palavra

Há uma palavra que persigo
foi-se por lá desterrada e morta

viúva e fria como os sargaços
que longe daqui dão à costa
todos os setembros pela manhã

como a folha pesarosa de ser outuno
e da brisa mole de entardecer.


4 Comentários

    • Luis

      Este é um tema já debatido, as citações, os nomes e autorias, nem é secundário, é terciário
      tenho para mim muito claro o que é importante

      Num quadro, o rabisco com o nome no canto é insignificante, bem podia não estar lá

      E a sua presença é só uma concessão à necessidade de fazer uma coroas

  • kina

    “a sua presença é só uma concessão à necessidade de fazer uma coroas”, bem como de analgesia para certas dores do ego. Acho sempre uma certa graça aos ciosos de autorias.

    • Luis

      Não acredito! E não é o facto de ter percebido 🙂 afinal há mais gente a achar graça aos ciosos das autorias
      o gosto de ouvir o saxofone dançarino é o mesmo quer sejam uma banda ou 3 gajos que se encontraram no bar, quer ser musica original ou uma cover

      ok, podem ter mais ou menos mérito no que fazem, mas isso em nada altera o prazer que me dão, ou o prazer que tenho em os ouvir
      e isso é o essencial

Deixar uma resposta