Vivemos obcecados pelo tamanho, da roupa, do cabelo, do rabo e até da dor e do amor.

Para quê?