Acho graça à facilidade com que citamos coisas com 50 ou 500 anos e que achamos muito actuais, ao mesmo tempo que acreditamos piamente no progresso