Ago 9

Sexta-feira à noite

Sexta-feira à noite
os homens acariciam o clitóris das esposas
com dedos molhados de saliva.
O mesmo gesto com que todos os dias
contam dinheiro papéis documentos
e folheiam nas revistas
a vida dos seus ídolos.

Sexta-feira à noite
os homens penetram suas esposas
com tédio e pénis.
O mesmo tédio com que todos os dias
enfiam o carro na garagem
o dedo no nariz
e metem a mão no bolso
para coçar o saco.

Sexta-feira à noite
os homens ressonam de borco
enquanto as mulheres no escuro
encaram seu destino
e sonham com o príncipe encantado.

11 thoughts on “Sexta-feira à noite”

    1. essa a beleza e mistério de qualquer dia da semana, em qualquer lugar a cada momento tudo pode acontecer, e nada pode acontecer

            1. sei que pode ser muito, mas para padrões ocidentais não é
              estou ao relento a receber um copo de tinto, e ouço a niobe
              musica para pôr a alma a dançar

              que quero mais? estou feliz.

  1. É um dos poemas fortes, impactantes, da Marina.
    Gosto deste lado da escrita dela, da poesia que não é doce e que tem qualquer coisa de “intervenção”, de desassossego, inquietação.

Comentário (nome, etc, é opcional)