14 thoughts on “Questionário”

  1. Parece que a questão mais controversa é constar a palavra “sexo” nos formulários e por isso há quem preconize a sua substituição por “género”, seguido de feminino, masculino e outro. É claro que a lógica binária continua a sobressair, já que são destacadas as possibilidades “feminino” e “masculino”, que são a maioria no presente, ao que se sabe.

    Não é uma questão pacífica, essa da eliminação desse dado.
    Se nalguns casos de avaliação é irrelevante o género dos respondentes, há imensas situações em que conta muito ter essa informação se não se quiser fazer estudos só por fazer, e se se pretende introduzir alterações.

    Talvez seja preciso passar mais tempo para a poeira assentar, para se conseguir discutir estas questões com mais densidade e verdade, e menos preocupações com o parecer bem, afinações e violência desnecessárias.

    1. sei que é fácil aligeirar o que não nos afecta directamente
      sei o que por vezes é preciso regulamentar quando o bom senso não chega
      no entanto toda esta onda do politicamente correcto complica-me com os nervos, não consigo evitar de sentir que se faz tempestades com minudências (que lá está, para outros são mais que minudências)

      1. Falei nisto e disse o que disse porque durante muitos anos tive que pensar em questionários, para os fazer e para analisá-los.
        Apanhei várias fases. Desde aquela em que este assunto não era assunto até à que passou a ser sempre problema, mesmo quando o que se pretendia apurar estava ligado a esta variável.
        O que defendo é que só se devem apurar dados pessoais, estes ou outros, se for relevante para o trabalho em causa.

        O que noto é que passou a ser difícil aceitar-se a expressão livre de um gosto pessoal que não esteja alinhado com mais ‘colorido’, sem que nos olhem de lado e cataloguem como uma espécie de xenófobos.
        Por exemplo, se eu disser (que digo) que gosto de homens com características masculinas bem marcadas e aprecio ver mulheres com o lado feminino bem evidenciado, o mais provável é levantarem-se uma série de interrogações sobre a questão daquele masculino e feminino e que tem subjacente a probabilidade de estar a fazer uma qualquer separação que não admite mais nada.
        Gostar para mim é uma coisa; o que o mundo é ou pode ser, é outra coisa. Eu e o mundo não temos que brigar por causa disso; cada parte só tem de integrar a outra.

Leave a Reply to Isabel Pires Cancel reply