A pele vai-se num último gesto

liberto-me da escravidão dos dias
(somos todos escravos da vida)

fico simplesmente

lá fora o néon
circula com certeza maquinal
caos de cimento e tédio