a consciência é uma merda
e deus não existe

então para quê fazer o ‘bem’, para quê a humildade?

na relação com os outros o parecer ganha sempre ao ser

porquê, então?

porque 90% do tempo este perder me satisfaz, e torna a noite amiga

os restantes 10% são uma grandessissima porra, chateiam comó caraças, e tenho que me convencer com tangas destas

 

Marisa MonteSegue o seco

 

Segue o seco sem sacar que o caminho é seco
Sem sacar que o espinho é seco
Sem sacar que seco é o Ser Sol

Sem sacar que algum espinho seco secará
E a água que sacar será um tiro seco
E secará o seu destino seca

Ô chuva, vem me dizer
Se posso ir lá em cima pra derramar você
Ó chuva, preste atenção
Se o povo lá de cima vive na solidão

Se acabar não acostumando
Se acabar parado calado
Se acabar baixinho chorando
Se acabar meio abandonado

Simón del desierto

The ascetic Simón believes he is a sinner and decides to self-inflict a sacrifice, living like a hermit on the top of a pedestal in the middle of the desert to be closer to God and resist the temptations of the world.

as mortes palavraram

Horse FeathersWords are dead

QuAl será o Guardião mentaL, mestRe e senHor do que deVe ou não merecer imaTerialidade MAiÚsculA?

pra cantar a altos berros

Xutos & PontapésContentores

que bom que é o solinho

Mesmo que o correcto seja gostar do metoo, tenho algumas reservas

Ontem ouvi na tv uma defensora do eutambém afirmar algo parecido com isto:
Dizer tens uns olhos bonitos, é simpático.
Dizer tens mamas bonitas, é crime.

Compreendo, mas gostava de não ter que compreender.
O sexo não tem que ser tabu, e muito menos crime. O sexo é para ser bonito. Tal como os olhos.

A questão do elogio ser ou não desejado, não parecia ser o critério.
A questão é falar-se de olhos ou mamas.
O sexo que está por todo o lado e que serve para vender de carros a sabonetes, não é para se falar.
Respeito todas as posições. Quem ache que não se deve falar sexo.
Ou que se pode falar, desde que não envolva o próprio sexo, seja só o dos outros.
Eu como sempre hesito. A liberdade é essencial, e dos tabus e do que fica por dizer vem muita porcaria.
Por outro lado também quero o encanto do mistério 🙂

"Inclinei-me para me despedir com os tradicionais dois beijinhos na face e ele começou a tentar beijar-me na boca, com a descontração de quem já fez aquilo dezenas de vezes. Desviei-me e saí do carro. Chorei até casa, de humilhação e impotência. Chorei de nojo."

Se ele a tentou beijar, e perante a esquiva ele insistou, é uma coisa (má).
Se um rapaz para não correr o risco de ir preso, tenha que perguntar "dás-me autorização que te beije?"
vai dar cabo do romance de todos os belos beijos cinematográficos

Conclusão:
Atitudes indesejadas verbais ou fisicas, estão erradas. Sejam sexuais ou não.
Quando ainda não se tornou claro o que é desejado ou indesejado, haja bom senso.
Que não se caia no fundamentalismo que já ouço, que seja necessário pedir permissão verbal explicita de tudo o que faz. É que logo a seguir vem a obrigatoriedade de ter um documento assinado para poder provar em tribunal que não foi assédio sexual.

Rapariga tem vontade de beijar rapaz.
Tira da mala impresso e caneta. Olha, quero beijar-te.
Assinas aqui, por favor, a autorização?

não se deve voltar ao lugar da paixão

NaomiAnybody Here