web analytics

O trabalho não dignifica o homem

Estes dias parecem-me montanhas que não quero subir, cheios de sítios onde não quero ir.
Mas por onde me vou obrigar a passar e ir.
Masoquismo?


8 Comentários

  • Isabel Pires

    Não, pode não ser masoquismo.
    Podem ser obrigações profissionais ou de outra natureza.
    O trabalho, a actividade profissional, dignificar-nos? Parece-me ser uma máxima estafada e cheia de variáveis a considerar.

    • luis0rodrigues

      São profissionais e derivados, ou seja materiais.
      Nesse caso não é masoquismo?

      Entretanto fui descambando, e já me questiono se um um homem digno é coisa que se queira ser.

      • Isabel Pires

        Nesse caso não é masoquismo. Podes estar descansado. 😉

        A dignidade é o nosso maior património imaterial controlável que possuímos.
        Claro que o que se quer é um homem digno.

        • luis0rodrigues

          E se fosse por coisas imateriais sem ser pago, já era masoquismo?
          😉

          Acho que não sou só eu a associar dignidade com altivez, com força, com postura.
          E como concilio isto com a empatia e admiração que tenho pelos que se rebaixam, que se descalçam sem mostrar que estão descalços.

  • Inconfessável

    O trabalho só dignifica quando é feito voluntariamente e nos pagam por isso, mas somos obrigados a trabalhar e, hoje em dia, a agradecer por o poder fazer. Terrível
    Masoquismo? espero que não seja o caso

    • luis0rodrigues

      Trabalho feito voluntariamente e pago. Pede pouco a menina, hã? 🙂

      O obrigado é questionável, como tudo é uma troca. Pode-se dizer que o campo está tão inclinado que é quase impossível não trocar. Mas mesmo assim é uma troca. Os poucos que não precisam trocas, vendeu a alma ao diabo E sou suficientemente estúpido para preferir assim, e gozar dos meus espaços de sol e mar.

  • Isabel Pires

    Se fosse por determinadas coisas imateriais sem ser pago, também podia não ser masoquismo. Exemplo: prestar cuidados de saúde a um familiar. Uma obrigação, que podes sentir como tal, mas não a praticas por masoquismo.

    A dignidade pode e deve ter doce quando é preciso tê-lo.

  • Inconfessável

    Não me digas que não pedes o mesmo, é que se não pedes és masoquista 🙂
    Ora, ora, é uma troca que nos impõem, cada vez mais e por menos menos.

Deixar uma resposta