para que o mundo me pareça estranho

quando em cada corpo há algo que me grita