que há no rosto dela

o negro chove-me pelos dedos

os cabelos descem como beijos

e a noite era algo que guardávamos em silêncio no corpo

assim reinventámos a inútil arte de amar