Dez 4

Fuma-me

Sou tudo o que não sou
Sou tudo o que não fiz

Sou único sou muitos sou mundo imundo sou tudo o que imagino invagino e imploro sou passos pedras e aves sou a roda que pede sou a beleza inglória sou o corredor que recua sou a carteira com barbas sou as pernas que crescem  sou a rotunda estúpida sou a luz escura sou as mesas que se levantam sou as vozes que se dizem

E não se calam

3 thoughts on “Fuma-me”

  1. E és muito duro contigo.
    Esse teu jeitinho de te atirares ao chão…

    Mas gostei do “invagino”. Ainda bem que o fazes, já nem todos os homens se podem gabar de tal! 😀

  2. lembrei-me de como escrevi isto, e sorri
    estava a acabar de almoçar e escrevi em 30 segundos tudo o que me vinha à cabeça, dai os passos e pedras, pernas e carteira,
    como estava numa esplanada ao lado duma rotunda, vem a rotunda e rodas, e por ai fora 🙂

Comentário (nome, etc, é opcional)