Fraqueza da humana sorte,
Que quanto da vida passa
Está receitando a morte!

E ainda há quem veja o zarolho como um jarro na prateleira.