deu-me para as memórias

e fui buscar os primordios destas coisas do blogues.
11 de Janeiro de 2006, chamava-se na altura Escrito na areia

Acertei algumas “escrevo para me ouvir e eventualmente me recordar” aqui estou a recordar-me 15 anos atrás!

errei noutras “nunca criei um blog porque para tal é preciso paciência e persistência. Não tenho nem uma coisa nem outra em quantidade suficiente”

outras continuo a praticar fervorosamente: “Ao beber nunca esquecer de aplicar firmemente os lábios na borda do copo”

e que no dia 9 de janeiro falava da luz do café onde não há música
do metro cheio de escuridão e de noites, que engole contabilistas como relógios enferrujados
afundar-me no escuro metro com uma criadinha a jorrar lírios cortados de café e música
trocar os dedos por línguas sedentas de bocas

morrer e voltar num dia claro

 

e ri-me bem ao remexer num dia em que estive a remexer em mails

Estive a remexer em mails

2 comments on “deu-me para as memórias

Comentário (nome, etc, é opcional)