É mesmo uma fatalidade a poesia falar sobre o amor, a morte ou a solidão

e não sobre garfos ou de ter comichão?