Opiniões fazem falta, boas ou más, certas ou erradas, que não sejam repetições.
Dizer que a vida está cara, por mais certo que esteja, não muda nada.

Vinha no carro a ouvir um escritor que se dizia de sucesso, e que no entanto confundia extremismo com intolerância. Que as pessoas se têm que respeitar, etc. e tal.
Quem tem ideias extremistas e radicais pode ser muito tolerante. Acho até que ser tolerante implica ser radical. A norma aceite é censurar, calar e proibir tudo o que é “falso” e tudo o que é “extremista”.

Quando se tem 4 anos e se canta para o teto
é porquê?

Quando se tem 18 anos e se canta para o teto
é porquê?

Quando se tem 40 anos e se canta para o teto
é porquê?

Quando se tem 90 anos e se canta para o teto
é porquê?

Quando se está morto e se canta para o teto
é porquê?

Estava a almoçar e ao fundo uma miudinha, em bicos de pés cantava a plenos pulmões para o teto, não tirava de lá os olhos
o que irá na cabeça duma criança quase bébé para fazer com que se levante da mesa e queira cantar para um pedaço de contraplacado?

para o geninho

poesia não se faz de palavras esdrúxulas
beleza não é obra de engenharia nem cozinhado exótico

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

https://www.escritas.org/pt/eugenio-de-andrade

que na Europa se desperdice, enquanto aqui ao lado se morre de fome, não gera grande indignação

quando abandonámos á sua sorte milhões de refugiados das guerras que fizemos, não gerou grande indignação

quando pagamos à Turquia milhares de milhões de euros para os guardarem em contentores antes de chegarem ás nossas fronteiras, não gerou grande indignação

aqui há dias quando se viu que abandonamos refugiados nus no mato, não causou grande indignação

quando um politico disse que a Europa é um jardim e os jardineiros têm que defender o jardim, ouvi que causou grande indignação e no dia seguinte pediu desculpa

Não vi ninguém pedir desculpa pela forma como tratamos quem foge do Iraque, da Síria, da Líbia ou do Afeganistão.
Não vi ninguém pedir desculpa por esta cena digna de Abu Ghraib.
Quando Josep Borrell disse a verdade publicamente, teve que pedir desculpa.

Podemos tratar refugiados como gado para proteger o nosso estilo de vida. Não se pode é dizer.