armado em Fernando Pessoa

não sou nada
mas não sendo nada, sou tudo

(tenho q ver se é cópia chapada ou só cópia pensada)
depois de investigado, é cópia pensada, o gajo falava de sonhos
eu não sendo arquitecto, construo
não sendo pintor, pinto
não sendo escritor, escrevo
não sendo piloto, voo
não sendo padre, prego
não sendo dançarino, bailo
não sendo estudante, aprendo
não sendo actor, represento
não sendo filósofo, penso
não sendo músico, toco
não sou nada de tudo o que poderia ser,
e de tudo sou um pouco

daí a dificuldade perante a pergunta “o que fazes?”
ou quando alguém se aventura com um “és o quê?”

diga o que disser, estou a mentir

Comentário (nome, etc, é opcional)