primeiro
tomo consciência das mãos
dos pés

e de repente, num assomo,
que não sou eu