Como se pode viver num mundo onde metade me maravilha e metade me enoja?