Os cotas como eu sabem o que é ter a mão no botão do rádio e fazer uma espécie de zapping radiofónico. Passar pelas frequências como se fossem lombas de estrada. Apanhar fragmentos de … fragmentos de quê? Como se eu soubesse. Como se alguém soubesse.

Como se fosse possível apanhar mais do que fragmentos do que quer que seja. E no entanto achamos sempre que percebemos as coisas. Que pelo pedaço que nos é dado compreender, compreendemos tudo.


4 Comentários

  • Uma Rapariga Simples

    E quando estás a rodar o botão à procura de uma frequência e estás quase, quase lá, é só rodar mais um bocadinho… tu rodas e…estás noutra! 😀

  • Luis Rodrigues

    Lá está, fragmentos.

    Faz-me lembrar na altura das rádios piratas, tinha uma em que a antena era um pau de vassoura espetado à janela. Como a frequência de emissão daquilo era um bocado imprevisível, lixava as estações todas da vizinhança.

  • Uma Rapariga Simples

    Eu marcava o rádio com uma caneta de acetato ou com verniz das unhas, para saber onde era a estação ao certo. Às vezes mudava a posição do quarto e lá se ia a obra. lol

    O rádio do meu carro mais antigo ainda é de rodar o botão. Eu gosto. (:

  • Laura Ferreira

    eu que sou cota adoro fazer isso.
    tenho uma série de rádios.
    quando era miúda acreditava que o barulho a mudar as estações (da sintonização) era o barulho do meu cérebro.

Deixar uma resposta