Depois abro

porque para conduzir é preciso

vejo um velhote a atravessar a rua todo a balançar, receio que cai para trás
nisto um puto atravessa para o outro lado aos piparotes, receio que caia para a frente

Ambos parecem que dançam, mas de um tem-se quase pena, e do outro quase inveja, porquê?
É certo que o puto se quisesse faria a dança a do velho e o velho não conseguia a dança do puto. Verdade.

Não sendo um nem outro, tenho que defender o segundo por inevitabilidade cronologica.
Faz parte do registo de interesses que todos nós devíamos fazer.

Quando era puto tinha tantas necessidades e dependências.
Era livre de pular mas era muito menos livre no que fazia e principalmente no que pensava.

A crueldade ou o absurdo da vida é esta
Sou mais livre nas escolhas que faço
mas por outro lado tenho menos escolhas

A beleza mágica de um número

O que é a beleza? Porque gosto do que gosto? Porque prefiro isto ou aquilo?

Há quem diga que gostos não se discutem nem explicam.

Há quem diga que se explica e tem uma fórmula e proporção quase mágica. Matemática.
https://instaarts.com/o-ideal-de-beleza-por-tras-da-proporcao-aurea

A proporção áurea explica a beleza convencional, a que nos conforta.

Mas não explica a forma mais alta de beleza. A que nos surpreende e entusiasma.

Ouço falar em 24 mortos e centenas de feridos

Na Bolivia há gente que protesta e quer ter voz. Todos os dias abro as páginas dos meios de (des)informação ocidentais, e abrem logo com os protestos em Hong-Kong. Onde não se matam pessoas. Onde a polícia não dispara balas de fogo real. Sobre a Bolivia, zero. Silêncio.

Isto não é democracia. Isto não é um mundo decente. É um sistema feito pelos poderosos para se perpetuarem no poder.