•  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 15 Fev 2019

    Ai o amor e as imagens de ti

    Se alguma vez, nos salões de um palacio, sobre a erva de uma vala ou na solidão morna do vosso quarto, acordardes de uma embriaguez evanescente ou desaparecida, perguntai ao vento, a vaga, ao passaro, ao relogio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai-lhes que horas são; e o vento a vaga, a estrela, o passaro, o relogio, vos responderão: São horas de vos embriagardes! Para não serdes escravos martirizados do tempo, embriagai-vos; embriagai-vos sem cessar!
    Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa escolha. Mas embriagai-vos! Deslumbrai-vos!

    O que o gajo queria dizer, e disse bem, é ama, goza cada coisa, apaixona-te, vive, sente, põe a porra do coração a mexer.
    É tão bom. Desculpem a falta de estilo. Quero lá saber se canto desafinado.
    Canto. É o que importa.

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 22 Fev 2019

    Histórias

    Uma vez num kart indoor depois de bater nos pneus de proteção levantei voo e capotei o kart.
    Ouvi dizer que não é fácil capotar, mas consegui. E sem grande esforço da minha parte.

    Quando o ia virar, consegui outra coisa. A gasolina sair do depósito e incendiar o kart.
    Aquilo já a arder bem, chegam os assistentes da pista. Preocupado sobre quanto custará um kart de churrasco, pergunto: E agora?

    Olha para a recepção, e responde-me ele: faltam uns 10 minutos ainda tem tempo para dar mais umas voltas.

    Para não dar parte de fraco e porque dizem que depois de cair se deve subir logo ao cavalo, lá fui dar duas ou três voltas.

    Moral da história: se estragares alguma coisa, pega-lhe fogo 🙂