Redes sociais, a minoria ruidosa

Uma minoria que confunde o mundo, com o mundo do umbigo onde vive. Há quem vá ler caixas de comentários e logo de seguida conclua, os portugueses são isto ou aquilo.

Quantas pessoas escrevem regularmente em redes sociais? É um número interessante de se saber, para não dizer importante.

Usar factos complica a lógica. Se forem 100000 isso quer dizer que os opinadores andam a falar de 1% das pessoas como se fossem a maioria.

O mal menor

O ‘social’ diz que o Trump é mau.
E leio por aí que o Borsonaro é pior que o Trump.

Numas eleições Trump Borsonaro, os “males menores” votariam Trump.
Se nestas eleições brasileiras houvesse um candidato pior que Borsonaro, o “ele não” seria “ele sim”

O mal menor é obviamente um mal.
Nessa teoria do mal menor, não vejo linhas traçadas. Daqui não passo.
Pode-se apoiar um assassino para que não ganhe um assassino com requintes de crueldade?

Eu tracei a minha linha. A linha entre o bem e o mal.

Se não fosse intencional, seria um mundo absurdo este.
Em que quem deseje um bem maior, é o culpado de todos os males governativos.

Mas quem vota à esquerda moderada nas sindicais, no centro moderado nas deputais e na direita moderada nas presidenciais, está inocente de tudo, mesmo que com isso sustente um sistema corrupto e injusto.