A formiga no carreiro

Retirado do blogue duma pessoa informada e inteligente:
A Folha de S. Paulo prefere retirar-se simplesmente da rede social; para mim é pena, pois gostava de os ler quando, por acaso, dava com eles no meu mural. Mas aceito a decisão e fico de olhos ainda mais abertos para perceber até onde o Facebook deseja que nos leve o seu algoritmo.

José AfonsoA formiga no carreiro

Votar com dinheiro

Coisas que me parecem absurdas sendo normais.

As empresas não podem votar. A teoria diz que as pessoas é que escolhem os governos, e o voto de um rico vale o mesmo que o voto de um pobre.

Os partidos com mais dinheiro podem fazer mais publicidade e aparecer mais nos outdoors, jornais e televisão. Organizar um comício custa dinheiro, palcos, som, seguros e sei lá que mais. É sabido que os grandes partidos pagam "excursões" à malta da província para virem passear ás capitais, desde que marquem presença no comício. Tudo isso custa dinheiro.

Então porque é permitido ás empresas darem dinheiro aos partidos de que gostam? Ninguém vota em partidos pequenos (que aparecem pouco) por causa do voto útil (outra parvoíce).

Dar uns milhões de euros a um partido é muito mais importante que votar nele.

E se o estado desse uns milhões de euros de subsidio aos filhos de pais ricos, e nada aos filhos de pobres?
Se isso está mal, porque raio está bem no caso dos partidos?
Os partidos grandes e cheios de massa recebem subsídios do estado (nós).
Os pequenos têm por missão continuarem pequenos, obrigado.

Da nostalgia

As boas memórias podem servir para muita coisa, para nos pôr um sorriso nos lábios, para nos dar força, foco ou seja o que for.
Mas não se pode ceder à tentação de querer voltar atrás e repetir o passado. Não dá mesmo.

Um bom exemplo é o Carlos Paço d'Arcos (do post anterior) que desde os anos 90 anda a tentar repetir uma fase da vida de que tem saudades. Cada repetição tem menos graça e fica mais longe do que queria reviver.

É impossível reviver o que já se viveu.
Tentar só embacia a memória e dificulta viver coisas novas, se calhar melhores.

Merda na Madrugada

Nos anos 90 passava na Super FM da 1 às 2 da manhã um programa chamado Merda na Madrugada. Era um programa invulgar, que tinha uma enorme trupe de seguidores (os merdados). Quem quisesse ligava e dizia o que lhe apetecia.

Como é evidente já na altura tanta liberdade trazia imensos problemas e conflitos. Hoje em dia seria um programa impossível. Por tantas razões, que nem dá para escrever aqui, até porque quero ir almoçar 🙂

O animador do programa era o Carlos Paço D'Arcos. Um deste dias fui tentar descobrir o que era feito dele. E dei com várias tentativas de repetir o Merda na Madrugada.

Com as as mesmas pessoas não deu porque agora têm filhos, cansaço, responsabilidades sociais, preguiça, desencanto, e um milhão de outras coisas que não tinham na altura.

Com a geração actual da idade dos merdados da altura, não dá pela mesma razão dum programa desses ser impossível hoje.

É o rir

Só isto me fazia rir. Não admira que só leia jornais por vício e fraqueza.

Do Diário de Noticias:

As condições socioeconómicas dos locais de residência afectam a qualidade de vida dos seus habitantes, revela um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP).
Concluiu-se que os indivíduos que habitavam em zonas menos favorecidas da cidade consideravam ter pior qualidade de vida. Assim, o que estes resultados mostram é que duas pessoas com as mesmas características -- idade, sexo, nível de escolaridade -- que vivam em zonas da cidade expostas a diferentes níveis de privação têm níveis de qualidade de vida distintos.

O estudo designado Neighbourhood socioeconomic deprivation and health-related quality of life: A multilevel analysis foi recentemente publicado na revista “PLOS One”.

Tem um titulo em Inglês e foi publicado numa revista estrangêrra, mas pelo menos valeu por uma boa risada.