que se lixe, vou arrochar com o kierkegaard prá praia

Se bem que o gaijo nem precisa de ninguém para se entreter: ‘a obra inicial de Kierkegaard foi escrita sob vários pseudónimos que apresentam cada um deles os seus pontos de vista distintivos e que interagem uns com os outros’.

‘Ele atribui pseudónimos para explorar pontos de vista particulares, que em alguns casos chegam a ocupar vários livros, e Kierkegaard, ou outro pseudónimo, critica essas posições.’
Lembro-me que, na época em que falava, era conhecido pelas pausas que fazia. Parte dessas pausas eram porque me acontecia a meio duma frase começar a discordar dessa mesma frase.
Fazer isso em livros também tem pica.

‘Os académicos têm interpretado Kierkegaard de maneiras variadas, entre outras como existencialista, neo-ortodoxo, pós-modernista, humanista e individualista. Cruzando as fronteiras da filosofia, teologia, psicologia e literatura, tornou-se uma figura de grande influência para o pensamento contemporâneo. Está sepultado no Cemitério Assistens.’

Estou a gostar disto. Primeiro dos caganitas classificadores. E depois do remate da frase final.

Por falar em remate. O melhor golo que já vi em todos os meus tempos.

Vou mudar a fonte do blogue. Está-me a irritar. Pensando melhor, vou mudar tudo.

o sol faz-me bem

A propósito do sentido de ainda há pouco, que sentido faz andar vestido no verão?

Quando chega o calor, só ando com roupa para evitar ser preso.
Vou na rua e vejo toda a gente vestida. Fico a pensar, quantos prefeririam estar ao natural, a sentir o ar na pele?
Nudistões unidos, fundemos a nudislândia!

Ainda estava a escrever nudislândia, e pensei porque não nudistal?

Não somos nós que temos menos tempo e paciência

Há é cada vez mais coisas a competir por esse tempo. De 2 passamos a 2000 canais de televisão.

Em vez de poder comprar um LP de vez em quando, temos agora milhões de musicas ao dispôr.

De dois ou três amigos que encontravamos diariamente, temos que atender a milhares virtuais.

Lembro-me de um dia ter acabado de ler o que havia em casa dos meus pais. Haverá alguém que acabe de ler a internet?

Um subproduto disto, é o limited attention span ka gente tem.

Uma vaca à procura do universo

A verdade é esta: o que procuro não é daqui. A maior parte das conversas que ouço à hora de almoço aborrecem-me. Sairam uns que falavam em gestão de projectos e clientes e labs, depois entraram outros que falavam em contabilidades e carros da administração. Alimenta-me a esperança que todos eles tenham em si um mundo secreto onde sonham com pássaros de papel azul.

E se toquem e abracem e beijem. Onde o amor não seja numérico.