• 09 Abr 2015

    da cena dos afectos

    Desde que nasci até que saí de casa dos pais, não me lembro de um único beijo da minha mãe. Abraços lembro-me de um, em circunstâncias muito especiais.
    De resto lembro-me da minha mãe a cozinhar, a lavar, a limpar, a esfregar e ocasionalmente a gritar. Não me lembro de nenhuma palmada.

    O meu pai ia a casa para comer, dormir e ver televisão. Sabia da nossa existência e o nosso nome, mas se lhe perguntassemn em que ano estavamos, não sabia responder.

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 18 Abr 2015

    Das Descobertas

    Sempre me fez confusão como se pode dizer que se descobriu uma terra onde já vivem pessoas.
    Hoje descobri que não sou o único, a wikipédia já concorda comigo.

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Descoberta_do_Brasil
    “O termo “descobrir” é utilizado nesse caso em uma perspectiva eurocêntrica, referindo-se estritamente à chegada de europeus, mais especificamente portugueses, às terras de “Vera Cruz”, o atual Brasil, que já eram habitadas por vários povos indígenas”

    É claro que da primeira vez que fôr a Badajoz, posso dizer que fui eu que descobri Espanha! 🙂

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 23 Abr 2015

    Há poços sem fundo?

    Quando visto do fundo, o fundo do poço é a entrada do poço. E topo tem tem que ter porque se não tem fundo nem topo não é poço. A menos que seja um poço só com meio. Já não me lembro do que ia dizer por isso vou ficar a meio. Do poço.

     

     

     

     

     

     

  • 24 Abr 2015

    Acho graça ao desconto que se dá aos poetas

    Um poeta diz que é um fingidor, que até finge que é dor a dor que deveras sente, e a malta: uau!
    Já se for um gajo qualquer, quiçá um jogador, e alguém diz que aquele gajo está sempre a fingir, e é logo buuu!

    Isto de escrever faz bem para desenferrujar a língua (como se escrevesse com a língua :). Digo isto porque fiquei preocupado por ter que pensar duas vezes para decidir se a conjugação de fingir era com g ou com j. Fiquei mais descansado quando vi que dá com um e com o outro. Digam lá se a gente não facilita a quem queira aprender português.

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •