•  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 06 Jul 2012

    Até que ponto somos ridículos ou How ridiculous are we?

    O querer ser único e querer partilhar.

    Sou só eu a achar que a gota não bate com a perdigota?

    Neste momento estou a ouvir uma música que me está a rasgar todo. Partilhar o quê? Se não fosse das piores músicas do palma, diria deixem-me rir.

    O mais giro é que quando abri o post, e comecei a escrever ia dizer uma coisa completamente… nem acabo porque não sei o que ia acabar.

    Fazer sentido é uma ilusão.

     

     

     

     

     

     

  • 06 Jul 2012

    Desassossego 433

    Passei entre eles estrangeiro porém nenhum viu que eu o era. Vivi entre eles espião, e ninguém, nem eu, suspeitou que eu o fosse. Assim igual aos outros sem semelhança, irmão de todos sem ser da família.

    Meus passos eram como os deles nos soalhos e nas lajes, o meu coração estava longe, ainda que batesse perto.

    Viram-me passar na rua como se eu lá estivesse; mas quem sou não esteve nunca naquelas salas. Quem me conhece não tem ruas por onde passe.

    Vivemos todos longínquos e anónimos; disfarçados, sofremos desconhecidos. A uns, porém, esta distância entre um ser e ele mesmo nunca se revela; para outros é de vez em quando iluminada, de horror ou de mágoa por um relâmpago sem limites; mas para outros ainda é essa a constância e quotidianidade da vida.