•  

     

     

     

     

     

  • 06 Jun 2012

    Ode ao Vinho

    Quais são as regras de uma ode? Uma palavra pode ser uma ode? O que é uma ode? Para que serve uma ode? Que raio de nome, não é? Ode. Quem dá os nomes às coisas? E porque têm as coisas que ter nomes? E porque têm que ser? Será que são? E aonde? Donde vêm estas moléculas maradas que compõem as coisas? E porque se juntam assim, desta forma estranhamente com sentido? Ou é a nossa necessidade de ordenar as coisas que nos leva a ver um sentido onde não há? Sinto? Pinto? Não.

     

     

     

     

     

     

  • 18 Jun 2012

    O Terreiro do Paço está alugado ao Continente.
    O CCB, talvez por estar frente aos Jerónimos e ao Padrão dos Descobrimentos, está alugado à Carlsberg.
    Graças a deus que a palavra portugal já não me diz nada.

     

     

     

     

     

     

  • 20 Jun 2012

    Sono

    sono: s. m.,
    desejo de dormir;
    estado de quem dorme;

    Digam-me lá se isto faz algum sentido? Sono significa a coisa e a falta dela.
    É como se estando com fome, fosse a um restaurante fomer.

     

     

     

     

     

     

  • 21 Jun 2012

    Justiceiros da estrada

    Há tanta gente na estrada dedicada a impôr a lei e a ordem, que tenho para mim que a Brigada de Transito é desnecessária.
    É claro que para os Justiceiros da estrada os maus condutores são todos os que não conduzem como eles.
    Buzinam, fazem sinais de luzes e tudo o que for preciso para travar os Idiotas e Maníacos.



    Hoje um Justiceiro mudou de faixa mesmo para cima de mim. Primeiro encostei-me, depois tive mesmo que travar para não batermos. Eu vinha a mudar demasiadas vezes de faixa, impunha-se castigar-me. Como não reagi, sentiu que o castigo infligido tinha sido em vão. Começou então a mostrar-me que era pessoa possuidora de dedos do meio.

    Confesso que os Justiceiros me irritam profundamente. São tão rápidos a buzinar como a fugir, quando a gente se chega ao pé deles.

    Hoje de manhã assim que saí do carro, o senhor dos dedos ficou sem dedos, sem janela e com um torcicolo que o impedia de olhar para o lado. É certo que a minha vontade era de lhe ficar com os dentes todos, mas podiamos ter conversado na mesma.

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 21 Jun 2012

    Pintelho

    Desde os tempos do João César Monteiro (que lhe deu um nova dimensão) que gosto desta palavra

    É claro que em vez disso podia usar ‘pêlo púbico’ (que também gosto muito de dizer)

    Ah, também gosto de: ‘partes pudibundas’

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 23 Jun 2012

    pergunta qq coisa

    chega-se ao pé de uma coisa

    duma pessoa ou de alguém

    ou de pessoa coisa

    a beleza da escrita está nesta liberdade da escolha entre escrever coisas igualmente iguais

    qual era era a pergunta? ah!

    Estás morto ou vivo?