• 25 Ago 2006

    E vergonha, não há?

    Há.

    Regressado de férias, tento ver o que há de novo pelas nossas bandas. Perdido numa página interior do DN encontro uma pequena nota. As admissões da Administração Pública vão deixar de ser publicadas no Diário da República. Ou seja, vai deixar de ser possível saber quem é contratado pelo Estado. Prova que os nossos “governantes” têm vergonha quando contratam a peso de ouro os amigos e os enteados.

    E a pequenez do artigo do DN prova que têm vergonha de ter vergonha. O facto de ninguém querer saber, prova que não é só o artigo que é pequeno.

     

     

     

     

     

     

  • 25 Ago 2006

    Vaidade

    Quando vejo links como este, ou quando leio alguns dos comentários que aqui me deixam, não sei bem o que sinto.

    Saber que há 5 ou 6 mil pessoas que visitam astormentas por dia, dá-me a justificação para continuar. Haverá mil, quinhentas ou mesmo cem pessoas que o acham útil diariamente. Vale bem a pena.

    Este canto é diferente. Tivesse um visitante por dia (e não anda muito longe disso), e não me faria diferença. Escrevo aqui para mim em primeiro lugar. Porque gosto, porque é diferente de tudo o resto que faço. Preciso disto.

    É certo que houve gente que gentilmente deixou palavras muito simpáticas. Agradeço-lhes profundamente. Por cada uma dessas palavras.
    Tenho a noção das proporções e sei que muitos dos elogios são claramente exagerados. Que algumas dessas mesmas pessoas que por cá passaram o merecem muito mais do que eu.

    Regularmente me censuro pelo meu hábito muito pouco social de não retribuir a gentileza. É uma questão de execução porque o desejo de o fazer está cá.

    Aqui fica o meu obrigado.

     

     

     

     

     

     

  • 25 Ago 2006

    Funerárias

    Hoje vi um anúncio a uma agência funerária que dizia assim: “A diferença em serviços funerários”.

    Não sei porquê (ou antes até sei) os slogans para este tipo de negócio não soam bem.
    Corre-se o risco de cair em coisas do género: “Funerária Silva – Nós enterramos melhor!”

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 29 Ago 2006

    Distância e solidão são sinónimos

    Quantas vezes, eu que anseio por proximidade, só me sinto bem quando descolo.

    Estava eu a almoçar com uma cadeira vazia à minha frente, e senti uma “malaise” no ar, como dizem os franceses.

    Fui comendo. Fui bebendo. Fui-me sentindo cada vez mais longe das vozes e caras ao meu lado. E fui-me sentindo cada vez melhor.

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  • 31 Ago 2006

    Num programa de rádio

    perguntava uma senhora o que poderia fazer para deixar de fumar sem lhe custar, sem ter dificuldades. Resposta do senhor do estúdio: milagres não há.

    Assaltou-me que esta pergunta é tipica. Instalou-se o culto do prazer preguiçoso. Queremos mundos e fundos sem fazer nada por isso. Todos exigem mas ninguém luta.

    Queremos ficar ricos mas sem muito esforço. E viva o Euromilhões. A sorte e o estado que olhem por nós. Estar em forma sem ter que suar. Ser culto sem ter que ler aqueles livros muito pouco divertidos.

    Meus senhores, o céu conquista-se.

     

     

     

     

     

     

  •  

     

     

     

     

     

  •