2 thoughts on “”

    1. e se empilharmos as letras? ou as regarmos, soprar-mos ou deitarmos fora?

      ou se as deixarmos em paz para que voltem diferentes?

      a verdade? os mundos são invenções, as letras convenções com tantos defeitos como qualidades

      o que vale? o que a gente sente
      e ai de de quem tente dar-lhe um nome

Comentário (nome, etc, é opcional)