se num poema de dez linhas, há duas que nos matam
para quê escrever as outras oito?