Porque havemos de procurar a objetividade, quando somos por natureza subjectivos?

Serve de quê a justiça, se somos inevitavelmente injustos?