Zeca no panteão

Este é o meu post mensal relacionado com o noticiário corrente.

A minha opinião é que merece mas não deve.

Não deve porque em vida sempre recusou honrarias e condecorações. O Zeca recusou-as em vida e a família recusou-as em morte. E bem.
Pediu para ser enterrado em campa rasa junto aos seus. E que não fizéssemos luto.

E merece pela dimensão do que era enquanto homem e de génio como músico. Na verdade merecia estar lá duas vezes.

Estou a escrever isto porque vim agora do café, e atrás de mim um miúdo pôs-se cantar: o que faz falta é animar a malta
Isto foi gravado em 1974, já lá vão 44 anos. Em 2062 alguma destas musicas vai ser cantada num café?
https://www.timeout.pt/lisboa/pt/musica/os-melhores-discos-portugueses-de-2017

Até o CDS-PP escolheu umas das suas músicas para a campanha.
Pensavam eles que era música tradicional portuguesa. O Zeca em vida já era uma tradição.
E nenhuma destas duas são das melhores músicas do Zeca.

Deixem-no estar ali a 100 metros do que era a minha janela.
Se lá voltar vou lembrar-me dele. E se não voltar, também.


2 Comentários

  • Inconfessável

    A SPA teve uma má ideia, talvez por terem pouco para fazer.
    Quando a família disse que não o deixaria ir, a SPA, em vez de respeitar a vontade dos familiares, resolveu provocar. Uma vergonha.

    Quanto ao Panteão, tenho as maiores dúvidas que ainda seja uma honra ser-se para lá transladado.

    • Luis

      Luis

      E segundo me lembro acabaram lá com as jantaradas. Não é mesmo sitio onde se queira estar.

Deixe um comentário