O pleno e o saciado

Há momentos em que parece que toco o que não tem nome.
Mas são momentos tão fugidios que nem sonho agarrá-los.. fico só a ver desfazerem-se em fumo
resta-me o contentamento de ter visto o sem fim

 

 

 


Deixar uma resposta