O passado e o futuro

Eis a lógica economicista do absurdo.

A frase que nada informa e só insinua, gera mais cliques, torna-se mais popular (viral como se diz) e por isso merece mais destaque.

A frase que descreve o que se passou, fica para segundo plano. Não gera cliques nem receita.

A informação primeiro travestiu-se de entretenimento e agora tornou-se um produto que se vende como se fosse margarina.

O consumo sabe como vender. As pessoas por si precisam de pouco.
A ideia não é produzir o que as pessoas querem, mas sim que as pessoas queiram tudo o que se produz.

Criar necessidades é simples. É só jogar com os mecanismos emocionais.


3 Comentários

  • Inconfessável

    Puseste o João Vilaret a dizer José Régio.
    Ouvi isto pela primeira vez tinha dez anos, na televisão, em casa da minha avó e mudou radicalmente a minha vida.
    Só de pensar, com dez anos. Tem-me acompanhado pela vida fora.
    Obrigada.

    • Luis

      Não pus nada, ele pôs-se por ele mesmo, agradece lá ao senhor 🙂

      Eu só ando por aqui a ver a bola.

  • Inconfessável

    🙂

Deixe um comentário