Fast Car

Arranjei um carro tão rápido que não me deixa tempo para parar e cheirar as flores.
Ando depressa para ter mais tempo, mas quanto mais depressa ando, menos tempo tenho.

Ah, e já disse que vamos todos morrer? É só uma questão de tempo.

Cada vez chego mais depressa aos sitios, e chego a sitios cada vez mais errados. Chego onde não quero, mas chego depressa, de modo que posso rápidamente partir para outro sitio que gosto ainda menos.

Variações, ressuscita e dá-me um beijo.

Leva-me, se não estiver contigo.


5 Comentários

  • à experiência

    Anda-se num carro rápido e pouco mais se cheira q o asfalto. Anda-se a pé. Cheira-se muita coisa. Repara-se em muita coisa. Ainda se acaba por morrer debaixo de um carro rápido. Ainda assim, antes debaixo de um carro rápido depois de sentir na pele a Primavera.

  • Nan

    empresta-me o Variações ou diz-lhe tu que, num espaço paralelo qualquer, eu escrevi este post a meias contigo.

  • Cris

    …fast life…
    Vivemos tão rápidamente quanto podemos de forma a não “vivermos” nada verdadeiramente…
    Para podermos viver rapidamente todos os desencontros que conseguirmos…
    E estarmos em todos os locais que detestamos…
    Tudo muito rápidamente… para rápidamente nos cansarmos e ainda com mais velocidade desistirmos de procurar alguma serenidade interior que nos permita sentir todo o aroma de todas as flores do mundo…
    Doce vertigem a velocidade… doce ilusão… doce principio de todos os fins….

  • A.

    …fico também.por perto.

    😉

  • Anonymous

    amar por amar tem que ser coisa boa

Deixe um comentário