Chuva

Tanta água. E desaparece tão depressa como se por artes mágicas. A terra chupa tudo. Chupa tudo e desaparece. Para sempre. Quem se lembra da chuva de ontem?

Ando perdido e ando roto. A única vantagem do modelo dos blogues é reflectirem estas coisas. De resto é um sorvedouro. Tal como a terra com a chuva.


One Comment

  • Snull

    “Chove. Que fiz eu da vida?
    Fiz o que ela fez de mim…
    De pensada, mal vivida…
    Triste de quem é assim!
    Numa angústia sem remédio
    Tenho febre na alma, e, ao ser,
    Tenho saudade, entre o tédio,
    Só do que nunca quis ter…

    Quem eu pudera ter sido,
    Que é dele? Entre ódios pequenos
    De mim, estou de mim partido.
    Se ao menos chovesse menos!”

    (Fernando Pessoa)

Deixe um comentário