E as vozes embarcam
num silêncio aflito

Que amor não me engana
Com a sua brandura

Se da antiga chama
Mal vive a amargura
Duma mancha negra
Duma pedra fria

Que amor não se entrega
Na noite vazia?

E as vozes embarcam
Num silêncio aflito

Quanto mais se apartam
Mais se ouve o seu grito

Muito à flor das águas
Noite marinheira

Vem devagarinho
Para a minha beira
Em novas coutadas
Junta de uma hera
Nascem flores vermelhas
Pela Primavera
Assim tu souberas
Irmã cotovia
Dizer-me se esperas
Pelo nascer do dia

Padrão

5 comentários sobre “E as vozes embarcamnum silêncio aflito

  1. Anónimo disse:

    Estou muito cansada para fazer um comentário, vou-me ficar pelas interpretações.
    Adorei a da Teresa Salgueiro e do Andrés Stagnaro. José Afonso e sempre bom tal como Pinho Vargas. Fiquei admirada com a Lena d’Água, ou já não me lembrava que cantava tão bem. Quem é que que canta no sítio do ‘Maio Maduro Maio’? Também uma beleza.
    Depois venho com mais calma :)

    • Luis Rodrigues disse:

      Já te disse que falar é fácil, como não posso fazer mais nada vou falar :)

      Se está cansadas, descansa. (tá a ver como é fácil? :)

      O que há que não seja interpretado? (está é mais difícil)

      Gostar, gostei de todas, que não sou sádico. A Lena tem um lado de tolinha, que do outro é uma simplicidade que roça a pureza.

      Perguntar também é fácil. Onde é o sitio do Maio, Maduro Maio?

  2. Anónimo disse:

    Agora apareço como anónima e sou a inconfessável. É o maldito edge. Amélia Muge e não a reconheci. Tive de ir ver ao youtube.

    Conheço esta letra e música desde sempre ou quase. Conforme o estado de espirito, com a música, faço as interpretações que me adequam.

    • Ò maria jaquemira, dispensa as apresentações :) não é mesmo preciso.
      Primeiro porque não é preciso. E depois porque não é preciso.

      Em tempos num forum de discussão, falei no FMI do Zé Mário Branco. Uma única pessoa sabia o que era. E essa citou logo passagens.

      Ontem ao publicar isto, lembrei-me de outra coisa, disto
      http://tintanobolso.escritas.org/2012/01/3650/

      E agora, porque ao falar do curtis, lembrei-me de um documentário que vi ontem sobre suicídios na ponte de são Francisco. Não sabia que ao contrário da nossa, dá para passar a pé. resultado: Não sei quantos se atiram, mas morre mais ou menos um por semana..

      E ficou-me uma coisa. Um dos que se atirou, sobreviveu. Quando o pai chega ao hospital a primeira coisa que ele diz é: desculpa.

      • Fizeste-me lembrar que há muitos anos a minha mãe quis que lhe pedisse desculpa por algo que me sucedera, que de certa forma resultou de uma opção e mudou a minha vida, que não prejudicava mas colidia com princípios.

        Não fiz porque não senti que o devesse fazer, como continuo com o mesmo entendimento.

        Apesar de considerar que os adultos só devem pedir desculpa de espontânea vontade e por iniciativa própria, é um ‘episódio’ perturbador.
        O pedido de desculpa entre pais e filhos, por coisas não corriqueiras claro, entra noutra ordem, e não sei se se é possível ter essa percepção sem ter passado por isso.

Deixar uma resposta