precisa-se de deus (ou de musa)

Ia na rua quando, de repente, disse em voz alta ‘quarenta e oito mil trezentos e vinte e sete”.

Não sei porquê nem o que significa. Só me apercebi do que fiz quando acabei de falar.
Foi como se alguém tivesse falado através de mim. Seria o diabo?

Se fosse deus ou uma musa deveria ter saído algo que se aproveitasse, tipo uma predição ou uma poesia, e não 48327.

Padrão

4 comentários sobre “precisa-se de deus (ou de musa)

  1. Isso é um número de código que te vai permitir sobreviver no mundo, depois do colapso económico-político-social-… em que o cenário apocalíptico vai perturbar as idas mensais ao Lidl e os levantamentos no multibanco.

  2. É uma hipótese interessante.

    E esse colapso que já foi, a malta vai dar por ele?

    Preocupa-me outra coisa. Ando a dizer em voz alta os meus pins e passwords?

    Quem sabe, talvez seja o subconsciente a libertar-se do que aprisiona o consciente. Eu sabei que só o fróid explicaria isto.

  3. Ainda não foi, há-de ser. É impossível não dar, metade da população mundial vai morrer e a outra metade vai ficar à rasca, só alguns escolhidos poderão ter acesso às maravilhas que estão guardadas para aqueles dias.

    Há um velho, pseudo-vagabundo, a quem foi dada a missão de localizar esse grupo de escolhidos e protegê-los. Para saber quem são, através do pensamento, leva a que essas pessoas digam um número em voz alta.

    Ou seja, há um velho a mexer com a tua cabeça. Definitivamente, Freud tem muiiiito que explicar!

Deixar uma resposta