5 comentários sobre “

  1. Ía contestar: O FIM DE TUDO, mas vou faze-lo como galego:

    de qual medo está a falar o senhor?

    do que me faz fugir de um cão que me quer tirar um bocado, ou do que faz fugir de mim ao mesmo cão para evitar um pontapé meu?

  2. bemsalgado, do medo que nos acompanha a cada momento mesmo sem sabermos, o medo de ter e de não ter, o medo de morder e de ser mordido.

    Mais depressa nos movemos por medo que por paixão, que até da paixão temos medo.

    Elisabete, um mundo sem medo seria um mundo sem nós, porque o medo está em nós não nas coisas.
    Por isso um tem medo das aranhas e e outro não. Não é na aranha que está o medo.

    E o pior é que o medo mata e nos deixamos matar.

Deixar uma resposta