Meditações e Bendições

Levo tudo demasiado a sério. O que não tem graça nenhuma.

Valeu-me o Roberto Leal. O segredo dele é o cogumelo.
Tentei, tentei e não há maneira de conseguir levar isto a sério. Devo estar curado.

A seriedade, para não lhe chamar burrice, vem de longe. Em puto andei armado aos cucos nos verdes.
A tentar empurrar a coisa para a frente éramos só dois, eu e uma moça.
Lembro-me de estarmos em minha casa noite dentro, a combinar estratégias para mudar o mundo de repelão.
Tínhamos as ideias mais loucas, e tudo parecia possível.

Anos mais tarde encontrei-a por acaso, e fiquei a saber que naquelas noites andei a mudar o mundo errado. Que levei tudo aquilo tudo demasiado a sério. Ou como um cínico é na verdade ingénuo. E continuo a ser. Burro.

Padrão

5 comentários sobre “Meditações e Bendições

Deixar uma resposta