Queria poder registar o mundo

Não sei para quê, mas queria. Acho-lhe graça, às vezes.

Estou num restaurante e à minha direita tenho um concorrente a empregado xico esperto.
Um fulano pede uma imperial e ele “Quente ou fria?”. Traz a imperial, e “são 9 euros”.

À esquerda tenho um homem, que molecularmente deve ser parecido comigo, sentado numa mesa vazia. Os olhos fecham-se, e depois a cabeça vai também. Ponho-me a imaginar como será a vida, como será a casa, duma pessoa quem vem dormir para o café.
Na televisão há ‘vidas em jogo’. Concluo que, olhando, já não consigo perceber se as telenovelas são portuguesas ou brasileiras.

Vou para a rua e tudo continua na mesma. As pessoas andam de um lado para o outro como se tivessem coisas para fazer.
E eu ali, parado, sem perceber.

Padrão

3 comentários sobre “Queria poder registar o mundo

Deixar uma resposta