fingir que está tudo bem

O meu problema não é bem o medo do ridículo. É o de ficar sozinho a meio do deserto.
Já não sei porquê dei-me de frente com este comentário feito num blogue meu:
‘Tive este tempo todo a pensar num texto super intelectual para responder aos comentários em …’
Eu, se for eu, afasto quase toda a gente. Ou porque não sabem o que fazer ou porque me põem na caixinha dos vaidosos que gostam se dar ares de intelectuais. Deixo a alternativa para quem diz melhor que eu, o Peixoto.

fingir que está tudo bem: o corpo rasgado e vestido
com roupa passada a ferro, rastos de chamas dentro
do corpo, gritos desesperados sob as conversas: fingir
que está tudo bem: olhas-me e só tu sabes: na rua onde
os nossos olhares se encontram é noite: as pessoas
não imaginam: são tão ridículas as pessoas, tão
desprezíveis: as pessoas falam e não imaginam: nós
olhamo-nos: fingir que está tudo bem: o sangue a ferver
sob a pele igual aos dias antes de tudo, tempestades de
medo nos lábios a sorrir: será que vou morrer?, pergunto
dentro de mim: será que vou morrer? olhas-me e só tu sabes:
ferros em brasa, fogo, silêncio e chuva que não se pode dizer:
amor e morte: fingir que está tudo bem: ter de sorrir: um
oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga.

Padrão

Deixar uma resposta