Memórias das madrugadas sem sono

No peito uma dor que entope a fala e que a pede. Uma dor inexplicável e insolúvel que brota águas e uivos lancinantes e não pára e nada pára. A dor dos desastres recorrentes. A dor que já não sei se é de ti, se de mim, se de tudo ou de tanto nada. A dor que quero curar e nada cura. Como queria quem me ensinasse o mundo.

Clara

Padrão

Um comentário sobre “Memórias das madrugadas sem sono

  1. Pingback: Terceira vez que publico isto, mas não como memória | Tinta no bolso

Deixar uma resposta