a Boubacar Bah

Boubacar Bah, um português naturalizado da Guiné-Conacri, morreu num centro privado de detenção americano. Sabe-se que bateu com a cabeça no chão, em circunstâncias pouco claras.

Quando recuperou a consciência foi levado para o departamento médico. Boubacar estava agitado e incoerente. Este é um sintoma claro de hemorragias intra-cranianas. Foi algemado e acorrentado ao chão para “evitar que se magoasse mais”. No chão Boubacar começou a gritar numa língua estrangeira. Apesar de lhe ordenarem que se acalmasse, manteve-se agitado e começou a vomitar no chão.

Por desobedecer a ordens, foi levado agrilhoado para uma cela de isolamento. Quando o largaram na cela, caiu e bateu novamente com a cabeça na cabeceira da cama.
Às 9 da manhã fecharam a cela. Nas verificações feitas pelos guardas, Boubacar parecia adormecido e espumava da boca.
Finalmente às 10:30 da noite, perante um homem imóvel e deitado na sua própria urina, com vómito acastanhado à volta da boca, Boubacar foi levado novamente para o centro médico.

As radiografias mostraram o crânio fracturado, hemorragias internas em todos os lados do cérebro inchado. Ficou quatro meses em coma e finalmente morreu.

Versão oficial: Morreu a 30 de Maio de 2007 na sequência de uma crise cardíaca.

AVIS DE DECES
Le Bureau exécutif de la GCA, les familles Bah, Barry et Diallo allies et amis ont la profonde douleur d’annoncer le décès de feu Boubacar Bah.

Détenu pendant 9 mois par les services d’Immigration des USA, par manque de document légaux, notre compatriote feu Boubacar bah s’est éteint à UMD hôpital, New Jersey à la suite d’une crise cardiaque, le 30 Mai, 2007.
Né à Gonkou Labé, le 1er Janvier 1955, fils de Mamadou Bailo Bah et Fatimatou Barry, feu Boubacar Bah est Marie et père de 3 enfants. En ces tristes moments que vit la famille de notre concitoyen, toute la communauté guinéenne, amis et sympathisants présentent leurs condoléances les plus émues et prie Allah de lui accorder le Paradis. Que son âme repose en paix, Amen.

Padrão

Um comentário sobre “a Boubacar Bah

Deixar uma resposta